quarta-feira, 27 de outubro de 2010

A Rua - Poesia















As grades! Elas estão por toda parte...
Ferros retorcidos,
Câmeras espalhadas em todos os cantos.
Será que ninguém invade?
Os muros estão cada vez mais altos...
A rua que era extensão dos quintais das casas,
Noutra época bem mais romântica,
Hoje nos apavora...
Vivemos em constantes dramas,
Ladrões correm para todo lugar...
Balas perdidas teimam em se encontrar
Nos corpos dos inocentes...
E as noites estreladas!
Que tanto serviram ao amor,
Hoje estão quase esquecidas,
Por conta de uma violência desmedida,
E não são mais vistas como antes...
Passam as estações e os ciclos lunares,
E as pobres almas?
Não conseguem contemplá-los...
Os olhos percorrem sempre assustados,
Todo trajeto à noite a percorrer.
Sejam noites frias ou quentes
Por temor começam a tremer...
É uma grande façanha andar do outro lado da grade.
As pessoas estão se esquivando umas das outras...
Bem desconfiadas! Numa demonstração de medo.
Ambos os lados estão assustados...
Faz parte.

Nenhum comentário: