domingo, 13 de fevereiro de 2011

O Preço do Progresso - Poesia

Não ouço mais o lindo canto das aves
Os arranha-céus conquistaram as suas casas
Tomando os antigos lugares das árvores...

Não ouço mais os gritos nos campos
Transformaram em condomínios nobres
Enclausurando os meninos em casa, nos cantos...

Não ouço mais as crianças pelas ruas
As multidões dos carros as impedem de brincar
Tornando-as sem lazer, tristes e nuas...

Não ouço mais as conquistas amorosas
A Internet substituiu a beleza do seu charme
Deixando os jovens sem amor e ternura...

Não ouço mais as conversas nas esquinas
A correria desenfreada do progresso
Levou as pessoas a agirem de forma fria...

Mas ouço o eco da minha memória
Pedindo para eu contar sobre a infância
Período querido de minha história.

Nenhum comentário: