sábado, 4 de junho de 2011

Sem Fim - Indriso

No auge de uma saudade sem fim,
Sinto demais a sua ausência;
Tento achá-la nos lugares por aqui...

Inconformado com o seu sumiço,
Clamo ao Deus de amor por um Cúpido;
Para me socorrer, pois estou aflito...

Sou um poeta abandonado e grito!

Sem sentido, a esperança me mantém vivo...

Um comentário:

SIMONE PRADO disse...

A ESPERANÇA DE UM AMOR QUASE IMPOSSÍVEL, IMPEDIDO POR UMA DISTÂNCIA. PERCORRENDO O TEMPO DESEJANDO UM AO OUTRO COMO CRIANÇA. Vivo um sonho assim, que é real demais pra mim, sonho que brinca e me maltrata...