domingo, 10 de julho de 2011

Não Grite! - Soneto

Não grite! No silêncio eu lhe escuto.
Cordas vocais expõem as suas queixas,
Enquanto na quietude você me diz tudo,
Sobre seu desinteresse e suas recusas.

Não deixe o histerismo elevar as tensões,
Nem tão pouco as ofensas desnecessárias.
Fica combinado que ficará nos corações,
Os momentos vividos e as ditas palavras.

Quantos momentos juntos jogados fora,
Por tanta insanidade e incompreensão,
De alguém que não me respeitou, e agora?

Seu silêncio não me incomoda, traz paz.
Funciona como um bálsamo em meu peito,
Sem a tentativa de trazer o que me apraz.

Um comentário:

Anônimo disse...

"Enquanto na quietude você me diz tudo"...