sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Cheia de Graça - Rondel

Ela torcia cheia de graça e vida
Sentir ser obra do meu destino
Ainda dançava em plena avenida
Admirado eu olhava seu empino

A cada gol me sentia um menino
Vendo a atitude da moça querida
Ela torcia cheia de graça e vida
Sentir ser obra do meu destino

Minha visão estava nela focada
Conhecê-la seria algo bem divino
Essa menina é por mim admirada
Neste lindo momento vespertino
Ela torcia cheia de graça e vida

3 comentários:

Evelyn Dias disse...

E que lindo ficaste o poema
A cada leitura que em mim fazia
Uma dança nova criava
Cheia de vida e graça a sua poesia.

Abraço!

LUZ disse...

Olá Djalma,

Que beleza de menina, né?
Estava cheia de graça divina.

Beijos de luz.

Aparecida Ramos disse...

Que belas cenas nessa torcida!
Parabéns!
Tenha um excelente final de domingo, poeta!
Bjssssssss
Issi...