quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Fiel Escudeiro - Soneto

Seria Deus injusto ou escolha errada?
O nosso fiel escudeiro vive bem pouco,
Já o falante papagaio cerca de noventa,
Enquanto a tartaruga dura duzentos anos.

Em menos de vinte anos traz muita alegria,
Adorado na infância, amado na maior idade.
Ninguém esquece do seu, fica na memória!
Fazem toda diferença, trazendo felicidade.

Sempre nos vigiam quando estamos dormindo,
Os cachorros jamais abandonam seus donos,
Sejam eles ricos, pobres ou até mendigos.

O melhor amigo nos oferta parte de sua vida,
É como meditar olhando perdido no horizonte,
Esperando as melhores respostas para tudo.

5 comentários:

Aparecida Ramos disse...

Linda e merecida homenagem ao "melhor amigo do homem" ou como preferir, Fiel Escudeiro, às vezes certos animais são mais leais e sensíveis que determinadas criaturas. Eu admiro essas relações... Beijos de quinta de manhã, poeta querido!

Michele disse...

Gostei do texto. Bastante criativo.
Patativa do Assaré escreveu um poema muito parecido, creio que iria gostar dele.
É um cordel e tem por ponto central a distribuição dos anos de vida dos seres. Aparecem na história quatro seres: o burro, o cachorro, o
macaco e o homem.
Todos pedem a Deus a diminuição dos anos de vida, pois, segundo eles, terão muitos sofrimentos.
Deus, com pena, aceita as súplicas. O burro e o cachorro ficam com dez anos. O macaco ficou com
vinte anos de vida.
Chega, então, a vez de Deus conversar com o homem, entregando-lhe o mundo para governar. O Criador deu trinta anos para o homem.
Ele, no entanto, não se conformou, pois achava que era pouco tempo. Pediu, então, os anos que os
animais rejeitaram. Deus concede a graça, entretanto, adverte-o. O homem terá que cumprir
o destino dos outros animais. Até os trinta, o homem vive a idade que Deus lhe deu. Dos trinta
até cinqüenta, será como o burro, trabalhando arduamente. Dos cinqüenta até sessenta, será
como o cachorro, “botando sentido à casa.” Dos sessenta até setenta, cumprirá o destino do
macaco, “fazendo graça e carinho”.

:)

Beijos

Kellen Bittencourt disse...

Olá amigo, de fato vc falou uma verdade, os cachorros deveriam viver mais, eu já sofri muito perdendo meus amigos na infância por isso não quis mais, traumatizei acho rsrsr, bonito poema! Abraços

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
Fica a imaginar quantos maltratam os animais.Achei seu poema muito bonito.
Grande abraço
se cuida

MOISÉS POETA disse...

Adoro esse tipo de homenagem...

To colado no seu blog !

Abraços !