quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Preconceito - Soneto

No preconceito se constitui muita ignorância,
Ao ouvi-lo se busca renunciar toda liberdade.
Nossas verdades têm amparo nas estâncias,
Do comportamento individual com autoridade.

O grande fardo é querer confundir a cor da pele,
Numa comparação do caráter e do bom costume.
Fazendo do homem o ser mais maléfico de todos,
Os animais existentes na terra, fruto da burrice!

Nunca é muito tarde para nós abandonarmos,
O preconceito que causa sofrimento às pessoas.
Seja ele de pele ou de comportamento mesmo,
Isso dará a todos o direito merecido de resposta.

A minoria que clama quer ser vista como todos,
No caminhar da vida, simples e livres cidadãos.

4 comentários:

Rita disse...

Um poema bem bonito com palavras
que combina, com as atitudes,eu
gostei vc é mesmo uma pessoa especial
quando escreve parabéns
Abraços de boa quarta feira
Bjuss
Rita!!!!

Kellen Bittencourt disse...

Verdade amigo, o preconceito nos tira oportunidades maravilhosas de conhecermos pessoas que podem nos acrescentar muito, tenho muitos amigos Gays por isso digo isso, estou sempre aprendendo muito com eles assim como aprendemos com qualquer pessoa, lamento pelos que recusam essa convivência! Abraçoooossss

Filha do Rei disse...

O preconceita prova que muitas vzs não estamos realmente prontos, realmente jamais podemos julgar.
Parabéns por cada verso.Bjs

Suelen Muniz disse...

Oi Djalma,
O preconceito,seja de pele,ou de comportamento é algo realmente terríveis nos seres humanos,essa Terra só é o que é graças a diversidade existente nela e quanto a esse quesito os seres humanos ainda tem muito a melhorar.
um ótimo final de semana,abraço,=)