sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Valor - Soneto

Ao ser questionado o homem diz ter valor,
Esquecendo a diferença entre ele e preço.
Viaja na maionese para chegar com louvor,
E não percebe que está no fundo do poço.

Nada realmente valoroso surge da ambição,
Os verdadeiros nos problemas são percebidos.
Homens de valores se colocam na última opção,
Estão sempre a favor dos menos favorecidos.

Não agem por impulso, são dignos de caráter!
Buscam o bem estar alheio só pela fiel justiça.
São filhos da prudência e não da temeridade...

Não procuram segundas intenções em seus atos,
Nem tão pouco tem sentimentos de obrigação,
O valor final dessas vidas depende desses fatos!

3 comentários:

Kellen Bittencourt disse...

Oii amigo, de fato homens de verdadeiro valor não agem por conveniência, são muitas veze anônimos! Adorei! Abraços e ótimo finde!

Lucinalva disse...

Olá Djalma

Legal o soneto. Gostei da frase: "Homens de valores se colocam na última opção, estão sempre a favor dos menos favorecidos." Que Deus continue te abençoando e te inspirando. Um forte abraço.

Ordem do Saber disse...

"Quem quiser ser o primeiro que seja o último". - Disse o Mestre da Vida Humana.

Um bom domingo para ti.