terça-feira, 7 de maio de 2013

A Cultura Do Eu frente A Razão - Mensagem de Texto


No cotidiano da sociedade atual se percebe que a mesma encontra-se enferma. A cultura do Eu tem sido sustentada de forma cruel e promiscua. O grosso modo de vida de um determinado ser, onde o seu procedimento soberbo soa como uma atitude totalmente ilibada e equilibrada, não deixa sombras de dúvidas de que estamos indo a passos largos para o abismo. O homem tem dissimulado em tudo o que faz, não escolhe lugar, nem pessoas e no final se acha totalmente com razão, sem de fato, ter a certeza do que está ocorrendo. A máscara usada pelo prepotente faz dele um homem ríspido em tudo o que se envolve.

Busquei compreender esse comportamento e como leigo na área da medicina, eu preferi ficar na hipótese do politicamente correto, conceito que tem invadido a nação depois que os “socialistas ateus” assumiram o poder. Este tipo de conceito é uma ação moral da civilização pós-moderna, que no popular podemos classificá-la, como: “em cima do muro”. Os políticos votam sem dizer o que pensam em troca de interesses nada legais, pervertem o sentido da verdade e usam da diplomacia. No meu entender, quem age assim não se comove com o sofrimento alheio e só pensa si, não entra nos confrontos de ideias e mostra-se um verdadeiro covarde, esquecendo que a melhor forma de se relacionar com o próximo é ser verdadeiro consigo mesmo.

Mas infelizmente nos dias atuais, tem se pregado também um evangelho de mentira, uma inversão de valores, onde o tema de muitas mensagens e pregações ditas evangélicas, geralmente é um convite à prosperidade material. Promessas contidas na Bíblia são apresentadas a muitos incautos como garantia de prosperidade. O evangelho é apresentado como investimento financeiro e ainda dizem para o povo ser ousado na semeadura na casa de Deus! Chegam ao cúmulo de anunciar que o propósito de Deus para o cristão é a excelência financeira e como garantia dessa prosperidade é apresentado o argumento de que o cristão é embaixador do reino de Deus na terra.

O mais incrível é que os números bíblicos viram cifrão nas mãos dessa gente, como a pesca milagrosa onde os cento e cinquenta e três peixes viraram cento e cinquenta e três reais, o Salmo noventa e um virou noventa e um reais, e assim sucessivamente. Acredito que os verdadeiros apóstolos, aqueles que viveram com Cristo, (para ser apóstolo é preciso ter vivido com Cristo, e por isso Paulo aprendeu diretamente dEle) ficariam envergonhados com esse tipo de evangelho.

Em paralelo a isso, os meios de comunicação tem alimentado um sentimento de amor estranho, onde o respeito a moral e a justiça divina não fazem parte dele e os principais episódios ocorridos por todos os cantos desta nação retratam bem a postura dessa cultura do Eu: Como o entrelaçar da igreja com a política; Os ataques às igrejas pela Teologia Liberal, onde os seus adeptos usam o seu universalismo tentando anular parte do livro sagrado; A tentativa de autorização da prática inescrupulosa do aborto com a desculpa do direito da mulher em relação ao seu corpo; Os tais “direitos dos homossexuais” que buscam fazer deles seres especiais; e para finalizar a descriminalização das drogas.

Em resumo, numa análise mais profunda percebi que os mandantes políticos da atualidade e alguns líderes espirituais não respeitam o povo que tem, esquecem que apesar de vivermos num estado laico, a grande a maioria da sociedade brasileira é formada por um povo cristão, que mesmo diante dessa cultura arrogante do Eu, onde alguns sempre acham ter a última palavra, ainda tem se mantido firme na sua fé.

2 comentários:

Aleatoriamente disse...

Gostei muito deste texto, ele é livre e cheio de verdades.

Beijinho amigo

Lucinalva disse...

Olá Djalma

Parabéns pela reflexão, você sempre trazendo questões atuais da vida. Bjs amigo.