quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Amor Platônico - Poesia


Quando eu me pego pensando em você,
Vejo o quanto fui ingênuo sem perceber...
Mas, mesmo bobo eu lhe amei profundamente!
Ao não tê-la em meus braços na mocidade,
Muito sofri, mas hoje acho que foi primordial.
Para não sentir a saudade que penso ter!
Leviano sentimento que vivo sem explicação...
Aos trancos e barrancos navego em momentos de solidão por você.
Mas como pode se não sei o gosto dos seus beijos...
Nem o calor dos seus abraços...
A ternura existente em ti nunca me foi ofertada,
Nem o seu mau humor eu pude contemplar!
O rolar de suas lágrimas não presenciei...
Então, como pedir ao anjo para recolhê-las!
Enxergar a sua aura, nem pensar...
Nunca olhei nos seus olhos como deveria,
Você não deixou!
Nossas almas eram gêmeas para mim,
O que faria de nós dois, apenas um!
Hoje quando me lembram de ti, eu digo assim:
Não falem dessa mulher perto de mim...

7 comentários:

Sopa de Letrinhas da Leninha disse...

Um amor platônico que deixou saudades que se recusa a sentir. É o que percebi. As vezes a saudade é bom, e lembrar de um amor também! Uma bela tarde para você e um novo amor no peito! Abraços

queminteressa disse...

Ola!

Adorei seu blog...

Me interessou!

Um beijao!

Ateliê Tribo de Judá disse...

Linda poesia me traz recordações ...
Ah! quantos amores platônicos marcaram minha adolescência pelo simples fato de que a timidez não me permitia demonstrar sentimentos....e que bom que foram platônicos...tenho muita doçura guardada de momentos não vividos...quase morridos! kkkkkk

Que bom que foi só uma fase kkkk
Beijos
Joelma

Patrycja disse...

It's awesome.
Greetings.

Patricia & Daniel

Lucinalva disse...

Olá Djalma

Linda poesia, desejo um belo final de semana amigo. Bjs

Filha do Rei disse...

Q lindo!O amor,o despertar,o encanto.
Tenha um fim de semana abençoado.Bjs

A Noiva Cadáver disse...

É tão louco não é mesmo? Sentir falta daquiloq ue nunca tivemos.