sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Calada Da Noite - Poesia

Na calada da noite o silêncio assusta
Mas ouço as buzinas e sirenes
Um grito de desespero longe se escuta
Momentos nefastos nada solenes
O silêncio incomoda mas como conforta
O nada se torna muito vultoso
Nesse campo aberto uma extrema loucura
Nas folhas que caem sem cinismo
Escondo-me por medo da triste amargura
Manhã que parece não mais chegar
A noite está longa sem estrelas sem lua
Esperança em mim assim desvanece
A pergunta está sem resposta e nula
Desiludindo o simples autor
Ainda bem que existem as almas sedentas
Cantando para Deus com amor

4 comentários:

LENAPENA disse...

"O silencio incomoda, mas como conforta". Verdade, o silêncio traz serenidade a nossa alma. Bela poesia, Um bom dia a vc.

Rute disse...

O silencio muitas vezes é preciso, é com ele que temos muitas respostas.
Beijos, bom final de semana

Ateliê Tribo de Judá disse...

O tempo é longo para quem espera e muito pequeno para quem tem que partir....e no silêncio solitário da noite encontramos o nosso coração as vezes a rir ou chorar....mas não se engane tudo é breve...muito breve.
bom final de semana.
beijos
Joelma

Lucinalva disse...

Olá amigo
Linda poesia, silenciar é preciso, mas "ainda bem que existem as almas sedentas cantando para Deus com amor". Um forte abraço querido.