sábado, 17 de janeiro de 2015

Janeiro Quente Esse, Não!


Vivendo e aprendendo nestes dias que passam, pois estamos nos deparando com coisas velhas em trajes novos e dentro dessa nova roupagem quase não se dá para reconhecer o velho. E no obstante a questão de nossa nação a coisa vai de mal a pior, e tudo aquilo que se ouviu da candidata que ganhou o pleito na verdade era ao contrário, me levando a lembrar do seu antecessor, aquele que sempre fala ao contrário do que realmente está acontecendo. A falta d’água também é eminente e o racionamento na grande São Paulo uma triste realidade. O calor está chegando a níveis insuportáveis no Rio de Janeiro e, eu não sei mais o que faço para me refrescar. Esse ano vai ser mais difícil do que foi em quartoze, os juros estão subindo e os preços vão juntos para acompanhar a alta da inflação e quanto ao emprego? Eles estão sumindo aos pouquinhos e não vai demorar muito para termos uma multidão de desempregados. Outras coisas que se mostraram bastantes dúbias em nossa nação foram às reações do nosso governo frente ao massacre dos cartunistas franceses, me pareceu um tanto frio o sentimento de revolta e tristeza, na verdade, acho que não houve sentimento algum diante dos doze massacrados, mas pra que se indignar com essas mortes, já que no mesmo dia morreram cento e cinquenta e quatro brasileiros assassinados, ninguém se indignou, nem autoridade, nem imprensa e nem o povo. O que mais me chamou atenção neste episódio dos cartunistas foram os jornalistas se dizendo Charlie Hebdo, numa mostra de corporativismo oportuno, mas sem a precisão correta na analise da questão. Não estou aqui concordando com ataque nenhum, pois ninguém merece morrer por nada, foi isso o que aconteceu com os jornalistas franceses, morreram por nada, até porque, o deboche ateu aos religiosos, a falta de respeito ao credo alheio já era marca desse jornal, que por sinal era ignorada por muitos e não acrescentava nada para ninguém, só promovia a revolta desses terroristas islâmicos malucos e fundamentalistas. Diante de tanta truculência em resposta a liberdade de expressão, será que poderemos dizer que valeu a pena? Ou não poderemos afirmar isso? Uma coisa eu sei: mortos estão os cartunistas, mortos estão os terroristas, morta está à chance da paz existir entre oriente e ocidente, morta está à chance da paz reinar sobre a terra. Eu como cidadão de uma nação onde o cristianismo é a maioria e fazendo parte desse conglomerado de gente, não sou Charlie, e digo mais: não sou comunista, não sou terrorista, não sou islâmico. Eu sou cristão e faço parte de uma classe que o meu governo odeia, aquele que trabalha, da classe média, hétero e evangélico, portanto, reafirmo sem ódio algum: Não sou Charlie Hebdo e nem bolivariano! E você?

Um comentário:

Lucinalva disse...

Bom dia, amigo

Que alegria encontrar você aqui novamente no blog. Neste tempo de calor, só o mar, para refrescar. Que Deus continue abençoando sua vida. Um forte abraço.