quarta-feira, 8 de julho de 2015

Estado Laico



O Ateísmo crescente te se esforçado para retirar das Câmaras Legislativas nacionais os religiosos. Quando digo religiosos refiro-me aos evangélicos. Esse ateísmo crescente em nossa nação está amparado no marxismo ideológico presente no coração do Brasil, isso porque, o partido presidencial ampara, patrocina e coordena todas as ações que possam trazer perturbações a crença, com a finalidade de a mesma vir a descer ao nível em que se colocam, para serem participantes de debates infelizes, e assim, ser rejeitada pela sociedade brasileira, recebendo o rótulo de fundamentalista e conservadora ao extremo. O jogo deles é mais sujo do que se possam imaginar, e não medem esforços para atingir os seus objetivos. Esquecem que o estado laico não é um estado ateu, e sim, um estado de respeito mútuo entre todos os seguimentos religiosos, teológicos, ideológicos e ateístas, onde um não pode exercer influencia sobre o outro com apoio do meio publico. Esquecem que os preceitos morais constitucionais estão amparados numa sociedade moderada, com fins, de proteção da família e consequentemente da nação. Daí a necessidade do parlamento brasileiro ter a liberdade amparada na democracia para o debate de ideias coerentes, e juntos, escolherem o que é melhor para a sociedade, independente de qualquer principio, mas com a honestidade necessária numa boa decisão, onde terá o apoio maciço da sociedade em questão. Mas infelizmente isso não ocorre, e o pior, é que esses tidos como minoria, tem se valido de instrumentos poderosos para driblar esses debates. Eles têm usado os instrumentos da justiça (que está aparelhada) e do Ministério da Educação (que pertence ao partido presidencial), através do PNE (Plano Nacional de Educação), que por consequência, acaba dando algumas canetadas ideológicas. Essa ideologia, implantada pela beirada, está sendo lançada goela abaixo do povo brasileiro. Esse comunismo bolivariano não respeita o contraditório, ele afronta e rotula qualquer um que se coloque em seu caminho, destrói, se puderem verdadeiras biografias em nome de sua intolerância. São verdadeiros ditadores disfarçados de democratas, mas não gostam da liberdade do povo e nunca lutaram por ela. São dissimulados nas defesas de suas causas, agindo sempre por trás, e não há sintonia entre as suas palavras e seus atos. E por isso, todo cuidado é pouco com essa gente.